Color logo - no background.png
  • Denise Castro

Apelidos & Alcunhas


No cotidiano de um lar

“Jorge, que cê tem?”

“Eu? Nada… mas…”

“Mas, o quê? Parece amuado… que se passa com você?”

“Esse dia cinza, a ausência de luz, de mãos, de leite morno…”

“Ah Jorge, sai dessa, meu! Anda aqui e joga a bola ou ataca a lã e tudo passa!”

“És tão clichê.”

(Grumpy face)

“Clichê, Eu? Que nada, apenas me divirto com pouca coisa. Mas… espera, pensa pelo lado positivo, pelo teu nome, não és o Amado? O Jorge Amado? Faça jus ao seu nome, cara!”

Sarcasmos ligados em 1…2…3:

“Por que? Tu fazes jus ao teu, Zé? Zé do Caixão?”

“Esses humanos são foda… labrador Zé do Caixão, ninguém merece… pô, Jorge, cê também não ajuda, agora me colocou pra baixo.”

“Seja sábio, meu amigo, senta aí, acende o teu osso, porque a mesma mão que afaga é aquela que te apedreja…”

“Estás mesmo numa treta profunda hoje, Jorge. Deviam te chamar de Jorge Amador, aquele que ama a dor.”

“Zé, não faz graça não… sou gato, mas te ponho no Caixão.”

“Vocês gatos…”

Bailando… 🎶🎶

“Nós gatos já nascemos pobres, porém já nascemos livres…” 🎶🎶

E Jorge, finalmente, coloriu seu dia.

#LínguaPortuguesa #Brasil #Portugal #Crônica #Humor

instagram-icon-960.png

Acompanhe também no Instagram @obeabadaescrita

Visite nosso canal no YouTube.

Assine a nossa Newsletter